Gel Ultra Catalisador 1 Kg - Cód. 393

Gel Ultra Catalisador 1 Kg - Cód. 393

Escrito em 18/08/2015
Spa da Pele


Descrição

   Gel para potencializar a ação dos equipamentos estéticos como: Ultra Som (qualquer modelo) e Infra Vermelho Longo, desliza facilmente e maximiza sua ação. Ideal para iniciar qualquer tratamento de gordura localizada e celulite. Sua composição altamente concentrada de extratos vegetais, ativa o metabolismo e favorece a redução de gordura. Se você também é fã de tratamentos com argila, irá gostar do Gel Ultra Catalisador porque possui o mesmo % de minerais que compõem a argila verde. Oferece os mesmos benefícios e não faz sujeira alguma! Indicado como auxiliar na desintoxicação dérmica e trocas metabólicas, além de favorecer a nutrição celular, deixando a pele mais revitalizada, tonificada e mineralizada.

Dica de uso

Utilizando com o deslizamento em ultrassom estético, também em preparo para bandagens térmicas e na massagem corporal.

 

Estudos Cientifícos

 

TCC

Protocolo para gordura localizada –
Eletroporação associada a eletrocosméticos.

 

Ana Claudia Coelho Soares¹, Jhyslayne Ignácia Hof
Nunes Maciel f² ,Claudia Sato³,Cláudia
 Méri Schwingel Ábila£

¹ Mestre em Engenharia da Produção – UFSC,
Especialista em Dermato-Funcional – IBRATE, Fisioterapeuta – UNIPAR, Docente do
Curso Tecnologia em Estética e Cosmetologia da UNIPAR - Campus Cascavel

² Especialista em Ortopedia,Fisioterapeuta – UNIPAR,
Docente do Curso Tecnologia em Estética e Cosmetologia da UNIPAR- Campus
Cascavel

³ Tecnóloga em Estética e Cosmetologia da UNIPAR,
Responsável Técnica pela Clinica de Estética e Cosmetologia da UNIPAR- Campus
Cascavel

£Acadêmica do 3° ano de Estética e Cosmetologia da
Universidade Paranaense – UNIPAR, 
Proprietária da Franquia Spa da Pele em Toledo-Pr

 


 

 RESUMO:


Desde o início do século, a moda é ser e permanecer magro. Principalmente as mulheres
são atormentadas por essa preocupação, hoje, quase universais. Esse fato,
bastante feminino, não é pura frivolidade, é uma preocupação séria, à qual
qualquer profissional da área da estética deve ter mais uma forma de resposta.
De fato, fora o aspecto estético, a gordura localizada é um fator de risco para
a sobrevinda de afecções cardiovasculares e metabólicas. (Pariente,2004)


 Desenvolveu-se uma indústria da magreza, o
profissional da área da estética, preocupa-se em eliminar as lipodistrofias
localizadas. A eletroporação é uma técnica nova e revolucionária, reconhecida pelo
Food and Drug Administration – FDA ameriacano que promove uma maior
permeabilidade das células para potencializar em até 400 vezes a absorção dos
ativos em tratamentos estéticos, quando utilizada associada à eletrocosméticos
lipossolúveis e lipolíticos , facilitam a utilização do equipamento, aumentando
sua eficácia e potencializando os resultados.

 

O presente estudo propôs um protocolo de tratamento com Eletroporação associado à
eletrocosméticos para combater as indesejáveis gorduras localizadas em abdômen,
flancos e culote, obtendo como resultado: redução das medidas, redução dos
valores das dobras cutâneas, redução da lipodistrofia ginóide e diminuição da
massa gorda, tendo como conseqüência, melhora da imagem pessoal, e da qualidade
de vida.


INTRODUÇÃO

 

TECIDO ADIPOSO


             Guirro (2006) aponta a hipoderme como sendo
tecido sobre o qual a pele repousa, formado por tecido conjuntivo que varia do
tipo frouxo ou adiposo ao denso nas várias localizações e nos diferentes
indivíduos.


Para Maio (2004), os adipócitos
estão localizados na rede fibrilar do tecido conectivo, entre a camada dérmica
superficial e a massa muscular. Essa camada intermediária, altamente
vascularizada, também chamada camada gordurosa ou hipoderme, inclui ainda
fibras elásticas, proteoglicanos e colágeno.

A obesidade caracteriza-se por
acúmulo excessivo de gordura, evidenciando na prática por duas formas distintas
de distribuição de tecido adiposo. Risco maior de desenvolver moléstias graves
ocorre quando há predominância de gordura no tronco, caracterizando
distribuição masculina, tipo andróide. Comprometimento maior ainda de saúde
ocorre quando predomina depósito de gordura na cavidade abdominal, envolvendo
vísceras. Distribuição de gordura em quadris, e metade inferior do corpo, caracteriza
obesidade ginóide é associada à probabilidade menor de apresentar complicações
de saúde (HORIBE, 200).


  O excesso de gordura acumula-se a
partir do armazenamento de nutrientes dos qual o organismo não necessita. As
células dos mamíferos metabolizam o excesso de calorias ingeridas, sob a forma
de carboidratos, proteínas ou lipídeos, transformando-o em triglicerídeos, que
são armazenados nos vacúolos das células gordurosas, os adipócitos. O excesso
de acumulação de gordura pode também resultar de disfunções hormonais ou
enzimáticas, que reduzem níveis de enzimas lipolíticas ou aceleram a
biossíntese de enzimas que favorece o acúmulo lipídico (MAIO, 2004).


Ainda segundo Maio (2004), a
acumulação excessiva de triglicerídeos provoca a formação de uma massa adipocitária
anormal, com depósito regional de gordura, que podem ocorrer também em mulheres
com peso normal, sobretudo nas coxas e nádegas. Se esses depósitos comprimem os
tecidos vizinhos, eles podem diminuir a microcirculação linfática e venosa.



     Conforme Guirro (2006), a
mobilização dos lipídeos acontece com velocidades diferentes nas regiões
femoral e abdominal. Estes são mobilizados mais lentamente na região femoral,
pois os adipócitos desta região são maiores e sofrem a influência dos hormônios
sexuais femininos. Estes se caracterizam por serem metabolicamente mais
estáveis e resistentes à lipólise. A concentração de tecido adiposo nas regiões
gluteofemorais caracteriza a obesidade ginóide, ou do tipo feminino.


LIPÓLISE


Segundo Maio (2006), a lipólise, ou
quebra da gordura, inicia-se com a degradação de triglicerídeos em glicerol
(glicerina) e ácidos graxos livres (FFA). Em seguida à hidrólise dos
triglicerídeos, os FFA de cadeia longa são direcionados para o interior da
mitocôndria, onde ocorre a oxidação a CO2 e água, com produção de energia sob a
forma de trifosfato de adenosina (ATP). De forma alternativa, os FFA podem ser
reesterificados a triglicerídeos no citoplasma.


O controle da lipólise é hoje
reconhecidamente exercido por um mecanismo mediado em parte pelo sistema
nervoso central, por meio da ação de receptores alpha-2 e beta-adrenérgicos
situados na superfície dos lipócitos. Entre os estimulantes beta-adrenérgicos
conhecidos estão: teobromina, teofilina, ácido teofilineacético, aminofilina,
cafeína, isopropilarterol e epinefrina. Entre os inibidores alpha-2
adrenérgicos, incluem-se: ioimbina, alpha-ioimbina, piperoxano, fentolamina e
diidroergotamina. Os estudos da bioquímica dos adipócitos concluem que os
agonistas beta-adrenérgicos podem aumentar diretamente a concentração de AMP
cíclico intracelular (3,5- monofosfato cíclico de adenosina, ou AMPc) e, dessa
forma, estimular a lipólise. A estimulação beta-adrenérgica inibe a
fosfodiesterase, responsável pela liberação de AMPc. Nos adipócitos, o AMPc é o
mediador da hidrólise dos triglicerídeos (MAIO, 2004).


Para Guirro (2006), diversos fatores
influenciam a lipólise ou lipogênese, como a insulina que estimula a
lipogênese. Sua afinidade é aumentada pelo estrógeno e prolactina, sendo diminuída
pelo progesterona, testosterona, hormônio luteotrófico e glicocorticóies. Uma
dieta rica em carboidratos e hipercalórica estimulam a lipogênese por aumentar
a ação da enzima lipoporoteína-lipase (LPL), assim como a progesterona.


 

Acredita Maio (2006), que , nas
mulheres, as partículas de gordura nas células das coxas e das nádegas
apresentem maior dificuldade de redução em razão da abundância de receptores
alpha-2 e beta na superfície dos adipócitos. Quando são ativados os
beta-receptores, essas células gordurosas se apresentam resistentes à liberação
de gordura, pela atuação dos alfa-2-receptores.


APLICAÇÃO
TÓPICA DE LIPOLÍTICOS

A administração tópica de moduladores adrenérgicos que elevem a concentração de
estimulantes beta-adrenérgicos e de inibidores alpha-2-adrenérgicos leva a
resultados similares aos observados in vitro – bloqueia-se a inibição da
lipólise. Aumentando-se a concentração local de beta-agonistas ou pela inibição
da fosfodiesterase ou de receptores alpha-2- adrenérgicos nos adipócitos do
tecido-alvo, os ácidos graxos livres podem ser liberados mais prontamente
(MAIO, 2004).


A redução seletiva dos depósitos de
gordura dos adipócitos via aplicação tópica requer liberação adequada do agente
ativo, para obtenção de concentrações elevadas na área do depósito gorduroso em
que se deseja estimular a lipólise. Essa liberação pode, ao menos em tese, ser
obtida por meio da utilização de sistemas de vetorização, como lipossomas,
nanosferas e outros mecanismos de vetorização tópica (MAIO, 2004).



ELETROPORAÇÃO

Dr.
Praunist, em 1999, foi o primeiro a descrever o fenômeno físico e químico da
eletrodermoporação, porém o método foi reconhecido somente em 2002, pela F.D.A.
(Food and Drog Administration).


As membranas celulares normalmente apresentam uma camada superficial com carga
negativa associada às extremidades livres de suas moléculas constituintes. O
campo elétrico gerado por essa carga atrai cátions e repele ânions da solução
eletrolítica, de modo que se forma uma camada de cargas positivas adjacentes à
camada de cargas negativas da membrana.

Eletrodermoporação
é o fenômeno no qual a membrana de uma célula, exposta a campos elétricos de
alta intensidade, pode ser temporariamente desestabilizada e com isso tornar-se
altamente permeável aos elementos iônicos e moleculares presentes nos meios
líquidos interno e externo à célula. Glaser et
al 
(1988), apartir de um experimento com membranas planas, constataram que,
em resposta a pulsos de potencial elétrico de amplitude suficiente para
produzir eletroporação, a condutância da membrana cresce linearmente no tempo
com uma taxa que depende do potencial aplicado.


O aumento do diâmetro dos canais protéicos acaba gerando uma onda de choque sobre
os fosfolipídios da bicamada lipídica da membrana celular (Tsong, 1991). Essa
onda de choque provoca rotação dos fosfolipídios da bicamada lipídica, abrindo
poros nessa e facilitando a penetração de ativos não iônicos adicionados a um
veículo compatível. Dessa forma aumenta a permeabilidade da membrana em até 400
vezes.


Os lipossomas, as nanocápsulas e demais veículos facilitadores apresentam
constituição semelhante à membrana plasmática, possuindo a capacidade de
veicular, através dos canais de água (aquaporinas), moléculas lipossolúveis e
hidrossolúveis, favorecendo a interação das substâncias transportadas e
incrementando a absorção a nível citoplasmático.


Sua emissão consiste numa onda eletromagnética, de características pulsadas,
moduladas, atérmicas e de freqüência hectométrica de baixa intensidade (0,9 a 1 Mhz), não ionizantes,
causando a “poração” (abertura de canais e poros).


 O procedimento é totalmente indolor, não causa
fasciculações musculares e a velocidade de absorção dos ativos é de
aproximadamente 1 ml por minuto. Devido à aplicação ser feita diretamente no
local com a utilização de um manípulo, obtemos uma ação importante na área de
necessidade. Para efetuarmos a aplicação é muito simples. Basta aplicar
topicamente o complexo lipossomado específico, gotejando aproximadamente 2 a 3 ml/ponto de aplicação e
deslizar o manípulo em movimentos suaves  sobre a pele umedecida até a
completa absorção (1ml/minuto). A aplicação deve seguir por quadrantes mais ou
menos de acordo com a área correspondente ao tamanho do manípulo.


COSMETOLOGIA:

Atualmente, a indústria cosmética tem dado muita ênfase a ativos naturais, vegetais e
biotecnológicos para uso em cosméticos, visto serem oriundos de fontes
renováveis e de fácil cultivo e pelo fato de que ativos naturais são mais
compatíveis com a pele, comparados com produtos sintéticos.


Neste estudo de caso, optou-se pelo uso de ativos naturais em extrato glicólico, com
fase hidrofílica e lipofílica, proporcionando juntamente com o eletroporação
uma perfeita penetração e ação dos princípios ativos.


ALCACHOFRA
Cynara scolymus L.: pH 5,0 – 7,0.
Concentração 5%. Atua com atividade lipolítica. Utilizado como auxiliar na
eliminação da gordura locas, por ser atilipêmico. Tem propriedades
adstringentes, remineralizante, emoliente e hidratante. Contém polifenóis,
taninos, saponinas, flavonóides, triterpenos, esteróis. Na terapia é utilizado
como digestivo, hepático, hipotensor, calagoga, selerética, depurativa,
diurética, laxativa, hipoglicemiante, hipolipêmico.


ALECRIM
Rosmarinus officinalis: pH 4,5 – 6,5.
Concentração 4%.   Contém terpenos,
flavonóides, polifenóis, saponinas e alcalóides. Propriedades vaso dilatadoras,
anti-sépticas, estimulantes, adstringente, lubrificante e antioxidante, pode
ser aplicado em todos os tipos de pele.


CAFEÍNA
Coffea arabica: pH 4,5 – 6,5. Concentração
7%. Apresenta uma boa penetração epidérmica, graças a sua lipossolubilidade, e
uma boa difusão dérmica devido a sua hidrossolubilidade, com ação lipolítica.
Sua ação decorre de um mecanismo de inibição da fosfodiesterase, promovendo uma
estimulação da adenilciclase por efeito antagônico estimulando a lipólise.
Parte utilizada: folha.


GENGIBRE
Zingiber officinale: pH 4,5 – 7,0.
Concentração 4%. Tem atividade estomaquica, antiinflamatória, carminativa,
antiemítica, aumenta a circulação nos vasos sangüíneos periféricos, possui
efeito refrescante e regula a umidade da pele. Contém polifenóis, alcalóides,
flavonóides e saponinas.

CENTELLA
ASIÁTICA Centella Asiática: pH 5,0 –
6,0. Concentração 2%.  Estimulante
metabólico atua profundamente no tecido celulítico, é ativador da
microcirculação, melhora a textura da pele, equilibra a hidratação e irrigação
dos tecidos, combate o envelhecimento dos tecidos, antilipêmico. Contém
polifenóis. Parte utilizada: folha.


FOSFATIDILCOLINA:
Concentração 5%. As gotículas de gordura quando são armazenadas no adipócito,
coalesem, formanto um grande glóbulo de gordura na forma de triglicerídeo. A
fosfatidilcolina é uma substância emulsionante, que possui ação detergente e
que diminui a tensão superficial formando partículas menores de gordura na
forma de triglicerídeos. A afinidade da substância com a membrana celular
permite a entrada na célula e a emulsificação do bloco de gordura na forma de
triglicerídeos em pequenos blocos, modificando o formato adquirido. Atuam na
mobilização dos triglicérides, solvata e carreia os TG para as vias de excreção
naturais.


MATERIAIS E MÉTODOS:

Para o presente estudo foi
selecionado 4 pacientes do sexo feminino, as quais tinham queixa principal
de  gordura localizada em abdômen, flancos
e culote.

 

Os materiais para confirmação do resultado foram: anamnese clinica, goniometria,
perimetria e fotografia. O estudo foi realizado 3 vezes por semana , somando no
total 12 sessões , aproximadamente 1 mês de tratamento; utilizando o seguinte protocolo:

 

            Protocolo
gordura localizada de abdômen, flancos e culote com eletroporação:


Indicação:
adiposidade em abdômen, flancos e culote


Freqüência:
3 vezes por semana.

 

Procedimento:

Higienizar: Borrifar
Fluido Higienizador nos locais a serem tratados antes de iniciar o
procedimento. Remover com toalhas umedecidas em água.

 

Esfoliação: Esfoliar
em toda a região a ser tratada fazendo movimentos suaves e circulares.

 

Assepsia com clorexedine a 2%:
Aplicar com auxilio de algodão nos locais a serem tratados e no manípulo do
aparelho, este procedimento garantirá a desinfecção do local.

 

Eletroporação:


Cosméticos eletroativos: ALCACHOFRA Cynara scolymus , ALECRIM Rosmarinus
officinalis,
 CAFEÍNA Coffea arábica,
GENGIBRE Zingiber officinale,
CENTELLA ASIÁTICA Centella Asiática, FOSFATIDILCOLINA.

            Modo
de usar: 
Eletroporar 1ml, num quadrante de 10x10 cm até
absorção do produto. Para este procedimento regular o aparelho para intensidade
máxima.

 

Crioterapia: utilizar
um gel crioterápico no local após a eletroporação,
para manter o ativo em seu local de atuação, por meio da vasoconstrição.

 

RESULTADOS:

Com a utilização do protocolo
proposto foi obtido: redução das medidas, redução dos valores das dobras
cutâneas, redução da lipodistrofia ginóide e diminuição da massa gorda, tendo
como conseqüência melhora da imagem pessoal e da qualidade de vida em todas as
pacientes que foram submetidas ao tratamento.


CONCLUSÃO:

A gordura localizada é um grande
vilão da beleza feminina. A descoberta de novas alternativas terapêuticas como
a eletroporação, utilizada com a penetração de ativos lipolíticos, têm a ação
de atenuar ou até mesmo eliminar a gordura localizada, melhorando a auto-estima
e a qualidade de vida dos pacientes submetidos as tratamento.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

PARIENTI,
I. J. , Medicina Estética, Ed.
Andrei, 2001


SANTOSFLORA,
Disponível em: http//www.santosflora.com.br. Acesso em 21 de maio de 2008.

GALENA,
Disponível em: http//www.galena.com.br. Acesso em 21 de maio de 2008.

EMFAL,
Disponível em: http//www.emfal@emfal.com.br. Acesso em 26
de maio de 2008.


GUIRRO,
Elaine & Rinaldo, Fisioterapia
Dermato Funcional
3ª Ed.,
Editora Manole Ltda., 2006, Barueri – SP.


HORIBE,
Edith Kawano, Estética Clínica e
Cirúrgica
1ª Ed., Editora
Revinter Ltda., 2000, Tijuca – Rio de Janeiro – RJ.


MAIO,
Maurício de, Tratado de Medicina Estética1ª Ed., Editora Roca Ltda., 2004, São
Paulo – SP.